sábado, 23 de novembro de 2013

Ilha Boipeba, um paraíso no litoral da Bahia



Boipeba é uma das ilhas no litoral da Bahia, que conserva a atmosfera intocada de lugares isolados e onde a poluição do ar ainda não chegou. Com muito ar puro, em Boipeba pode-se caminhar por quilômetros de praias desertas e ter a sensação de ser o único visitante da ilha.  São quase 20 km de praias paradisíacas e semi-desertas, areia branca e vastos coqueirais com algumas pousadas e restaurantes bem simples, mas com muito aconchego e hospitalidade.


 


Apesar de estar próxima ao Morro de São Paulo que detém grande fluxo turístico, por algum tempo Boipeba se manteve incógnita. Atualmente Boipeba tornou-se um precioso destino de turistas que procuram lindas paisagens, praias desertas e natureza exuberante, mas com o clima de um vilarejo perdido no mundo. Longe da agitação dos grandes centros, o local tem cenários extraordinários e encantadores. 






Rica em cores, ritmos e lendas, a ilha é rodeada de um lado pelo oceano e do outro pelo estuário do Rio do Inferno. Boipeba foi no passado onde chegaram os primeiros jesuítas da Europa em 1537. O nome da ilha é uma corruptela da palavra tupi Mboi Pewa que significa cobra chata, uma referência às tartarugas marinhas que eram muito frequentes nas praias.




Rio do Inferno

Boipeba é ideal para quem gosta de caminhar sem pressa, ao sabor do vento e da brisa do mar. Na ilha há vários povoados, como a Velha Boipeba, Moreré, Ponta dos Castelhanos, Cova da Onça e Monte Alegre etc. Muitos turistas chegam a Boipeba vindo de lancha rápida diretamente de Valença ou pela trilha em jipes que saem de Morro de São Paulo. De qualquer forma é preciso uma viagem de barco para atravessar o Rio do Inferno e chegar até a ilha, onde não há tráfego de veículos.


Atracadouro de Boipeba

Habitada no passado pelos violentos índios Aimorés, logo depois do descobrimento do Brasil em 1501 a expedição portuguesa navegou toda a costa baiana para explorar a área do novo continente. Por conhecerem a influência da Lua sobre as marés, os índios ficavam à espreita às margens do rio. Quando as marés baixavam e as embarcações ficavam encalhadas, os índios canibais atacavam e comiam a tripulação, por isso deram o nome de Rio do Inferno àquele canal. 




Boca da Barra/Outeiros/Pedrinhas

Navegar é preciso, pois passeios de barco são fundamentais para se conhecer a ilha. O passeio que contorna a ilha é feito em lanchas rápidas de acordo com a tábua de marés. Os passeios mais longos duram quase um dia inteiro e alguns barqueiros levam turistas em charmosas canoas a vela.


Praia das Pedrinhas

A Praia da Boca da Barra é a primeira praia de Boipeba onde o Rio do Inferno se encontra com o mar. Serve também como ponto de referência para as saídas dos passeios de barco e para a prática de esportes náuticos. Seguindo adiante surge a Praia do Outeiros, uma praia com areia de cascalho e ótimas pousadas à beira mar. No final há uma praia com variados e lindos tipos de pedras sendo chamada Praia das Pedrinhas. 






Tassimirim/Cueira

Mais adiante, a Praia de Tassimirim tem um extenso coqueiral sendo um dos principais pontos de desova da tartaruga marinha. É um excelente local para prática de mergulho onde sempre há pescadores mariscando polvos, lagostas e lambretas. Essa praia faz a divisa com a Praia da Cueira, por um trecho de Mata Atlântica onde o ar se confunde à natureza com aroma de oxigênio puro.




Cueira/Morerê/Bainema

A Praia da Cueira, que já foi eleita uma das mais belas do Brasil, é separada por um morro da Praia de Moreré. Essa praia paradisíaca é um lugar para parar e pensar, amarrar a rede e relaxar na companhia da natureza. Localizada numa enseada de águas tranquilas e piscinas naturais nos recifes de corais, na maré baixa surge um banco de areia que permite longas caminhadas pela praia.




Para chegar à vila de pescadores de Moreré pode-se seguir pela praia durante a maré baixa ou caminhando por uma trilha desde a Velha Boipeba. Durante o verão há tratores que fazem o transporte, mas a melhor maneira para chegar a Moreré é fretar uma lancha desde a Boca da Barra. Vale a pena provar as delícias feitas com os frutos do mar como camarões, polvos e lagostas que são abundantes nessa região. No final da praia chega-se à Praia do Bainema com vasto coqueiral e poucas casas de veraneio.



Ponta dos Castelhanos

Essa é uma praia deserta conhecida por sua extensão e por ser a última antes do imenso manguezal até chegar ao fim do arquipélago. No fundo mar estão os restos de um navio espanhol que naufragou na época do descobrimento do Brasil, daí veio o nome Ponta dos Castelhanos. Embora todos os náufragos tenham sobrevivido, eles foram comidos pelos índios canibais. Não há nada nas imediações a não ser as matas e o mar, que é excelente ponto de mergulho e desova de tartarugas marinhas.



Vila de Monte Alegre

Seguindo pelo interior da ilha de Boipeba, as trilhas levam para a parte mais alta onde as paisagens são inesquecíveis. As áreas florestais da ilha servem como abrigo para muitas aves e animais, por isso foi criada uma Área de Proteção Ambiental.




A Vila de Monte-Alegre está no centro da ilha cercada pela Mata Atlântica. Trata-se de uma comunidade de quilombos que recebem bem os turistas. Seguindo as trilhas deslumbrantes banhadas por nascentes de água pura, em meio ao silêncio da mata pode-se saborear frutos maduros nos cajueiros, mangueiras e outras.




Cova da Onça e outros povoados

O último povoado é São Sebastião, popularmente conhecido como Cova da Onça. Dizem que o lugar tem esse nome porque havia uma imensa gruta onde os antigos padres escondiam para não serem devorados por índios. Voltando da Cova da Onça, passa-se por diversos povoados que parecem ter parado no tempo, como Barra do Carvalho, São Francisco, Barreira e Barroquinhas.






As melhores pousadas de Boipeba ficam ao longo da praia da Boca da Barra e em Moreré. A mais luxuosa e bem equipada da ilha é a Mangabeiras que fica no alto de um mirante natural entre as praias do Outeiro e Tassimirimm tendo uma vista panorâmica das praias de Boipeba. 


Pousada Santa Clara

A pequena Vila Sereia tem apenas quatro chalés e serve um excelente café da manhã na varanda dos quartos. A Alizées Moreré é uma opção romântica em Moreré. Possui uma maravilhosa vista para o mar e deques suspensos. 

Elegante e intimista, a Pousada Santa Clara está próxima à praia na Boca da Barra e tem o melhor restaurante de Boipeba. Também há bons quiosques nas praias. Na Praia da Cueira o Quiosque do Guido serve lagostas fresquinhas feitas na fogueira de palha e em Morerê tem o Quiosque Paraíso. 




Pratigi

Essa é uma praia que faz parte da cidade de Ituberá, que está entre a Ilha de Boipeba e a Península de Barra Grande. Localizada no continente, a extensa praia é quase deserta e ocupada por fazendas de côco e dendê. Nesse ponto o mar é calmo e as ondas bem fracas, mas o acesso a essa praia é um muito complicado pois demanda inúmeras baldeações e de carro as estradas são ruins. 

Há apenas um camping onde no final do ano acontece o evento "Universo Paralelo". O festival trance reúne muita gente jovem do Brasil e exterior amantes da música eletrônica, da arte psicodélica e da comunidade alternativa. O evento é tipo Woodstock, um movimento hippie dos anos 60.  Durante o evento o que conta é viver alguns dias em total liberdade... 





3 comentários:

* Edméia * disse...


*Lúcia, os lugares são lindíssimos ;

porém , sou meio medrosa, boba,

caipira ... eu só passearia por

umas praias destas na companhia

de pessoas confiáveis que

realmente conhecessem direitinho

os locais !!! (*É tudo muito

silencioso, deserto e quieto para

o meu gosto ! Tudo bem lonnnnnge

da cidade, da vida urbana !!!

Sei não !!! kkkkkkkkkkkkkkkkk).

*Garota, tenha uma boa

semana de final de Novembro e

início do mês do Natal , das

festas !!! :))

*Fiques com Deus.

*Um abraço.

P.S. - *Lúcia, tem um blog teu

aqui que não consigo deixar nenhum

comentário no mesmo ! Acho que

você o fechou !!! (Esqueci o nome

do mesmo ! Verei aqui e te direi

no comentário deste blog ! ).

* Edméia * disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucia de Belo Horizonte / MG disse...

Querida Edméia: Você tem toda razão de manter prudência ao andar em locais isolados. Mas em todo litoral da Bahia tem agências credenciadas que disponibilizam jipes 4x4 com motoristas ou lanchas. Só não vale sair acompanhando quem se diz guia turístico e na verdade nem se sabe quem é. Os próprios hotéis podem indicar as agências. Obrigado pela visita e por seu comentário. Abraço, Lucia

PS: Qual blog você não consegue acessar? Me avise, tá? Assim poderei verificar o problema. Thanks.

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores