quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Vale dos Vinhedos na Serra Gaúcha



O Vale dos Vinhedos na Serra Gaúcha, entre as cidades de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul, é
caracterizada pela influência dos descendentes de imigrantes italianos que foram os pioneiros da vinicultura brasileira. Os imigrantes italianos chegaram à região por volta de 1875 e aos poucos a paisagem foi transformada pelos imensos parreirais, de onde saem as uvas para a produção dos melhores vinhos e sucos de uva in natura do Brasil.


Apreciar o aroma e sabor do vinho em seu meio natural e conhecer as tradições da região possibilita compreender a cultura e arte de apreciar vinhos. Essa é a experiência que se tem no Vale do Vinhedos, além das paisagens e arquitetura que contam sua história.









São mais de 30 vinícolas, queijarias, restaurantes que propiciam uma fantástica viagem à região mais italiana do Brasil. As vinícolas oferecem uma programação diferenciada, guiadas por enólogos, para contemplar a cultura do vinho desde o plantio até o engarrafamento, degustação de vinhos, espumantes e suco de uva.


Em ambientes aconchegantes, pode-se degustar queijos e vinhos que devido à evolução tecnológica aplicada ao processo
de produção do vinho trouxe o reconhecimento dos vinhos do Vale do Vinhedo como um dos melhores do mundo e incentivou o enoturismo, atraindo muitos apaixonados pelo vinho. A melhor época para o turismo é quando as parreiras estão carregadas de uvas e acontece a colheita, o que permite mergulhar na cultura do vinho e sentir o cheiro da uva invadindo cada canto da região.





O passeio turístico de trem à vapor é uma grande atração na Serra Gaúcha. São 23 quilômetros de percurso entre os
municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa. Durante o passeio, um conjunto típico italiano comanda a música e a tarantela.

Já na estação de Bento Gonçalves os turistas são recepcionados, com um saboroso vinho e uma
deliciosa degustação de queijos. Na recepção em Garibaldi acontece ao som de música gaúcha e italiana durante a degustação de um saboroso espumante. Em Carlos Barbosa, um show de música italiana marca o momento em que todos confraternizam embalados pela música.





Em Bento Gonçalves, visitar o Parque Temático Epopéia Italiana é como uma viagem no tempo que conta a história dos
imigrantes. A visita é envolvente e faz sentir as emoções e necessidades que os imigrantes tiveram, desde que saíram da Itália até chegar ao Brasil.

Em uma enorme área construída, vários ambientes retratam aspectos da vida na Itália, a
viagem ao Brasil e, por fim, a adaptação ao novo continente. É um espetáculo de som e luz conduzido por atores que convidam o visitante a voltar ao passado e vivenciar a história. O espetáculo é acompanhado de degustação de vinhos, suco de uva e biscoito típico italiano.





Em Carlos Barbosa está a Gruta Nossa Senhora de Lourdes e outros roteiros religiosos. Na cidade acontece o Festiqueijo,
o maior festival gastrônomico da Serra Gaúcha com muitas variades de queijo. E não é só queijos, tem diversos pratos à base de leite e queijo, como Polenta, galeto, salsichão, pão caseiro, pastel de queijo, pizza doce de leite, de chocolate e de queijo, crostoli, cuca, pepino, croissant de queijo e goiabada, pão de queijo, e milhares de docinhos.

O Morro do Diabo em Carlos Barbosa tem infra-estrutura turística para a prática de vôo livre de paraglider e é
considerada uma das melhores rampas do estado. Carlos Barbosa é a cidade berço da Tramontina. Dizem que a imigrante de Elisa Tramontina começou seu trabalho com as vendas dos canivetes que fabricava no porão de sua casa. E do artesanato, deu origem ao grupo industrial.











Monte Belo do Sul faz juz ao nome. Situada no alto do monte, sua bela panorâmica de parreiras de uvas cria um cenário que muda conforme a estação do ano. Antigas construções guardam lembranças do passado da cidade e o Santuário de São Francisco se destaca no alto do monte. Antigas tradições são marcantes.

Os eventos mais famosos são o Vindima que ocorre na época da colheita e o Polentaço que, além de servir a melhor polenta com fubá de milho da região, tem ainda a única exposição do mundo feita em polenta. Os cenários de Monte Belo são tão lindos, que ali foram gravadas diversas cenas da novela Esperança. Um passeio à Famiglia Tasca, que tem cantina em Monte Belo do Sul, permite degustar um suco de uva rosé artesanal.






Há vários roteiros, como o do Caminhos de Pedra que busca resgatar a herança cultural dos colonos italianos, através das construções erguidas pelos camponeses e de sua gastronomia. O roteiro é feito na chamada Colônia São Pedro, área
rural de Bento Gonçalves, numa estrada de 7 km com 28 casas de pedra e madeira da época da imigração italiana.

A Casa da Erva-Mate mostra a produção do principal ingrediente do chimarrão e na Casa do Tomate pode-se degustar derivados do tomate, como o tomate seco. A Cantina Strapazzon explica sobre a elaboração do vinho e vende queijos e embutidos. São ótimos os queijos e iogurtes da Casa da Ovelha e o almoço na Casa Vanni.




O roteiro Vinhos de Montanha compreende a visita a algumas vinícolas, entre elas a Vinícola Aurora que foi a primeira vinícola de Bento Gonçalves a abrir suas portas ao público. No início dos anos 80 criou um Centro de Recepção Turística que recebe mais de 100 mil visitantes por ano. O roteiro mostra os diversos procedimentos da arte de elaborar vinhos, percorrendo corredores com barris de carvalho, tanques de inox e enormes pipas de madeira.

O trajeto é interligado por túneis, que fazem o visitante vivenciar um pouco da cultura e tradição locais, e o romantismo contagiante do mundo do vinho. O ponto alto da visitação é a chegada à Cave di Bacco. No local a vinícola oferece degustação gratuita de toda a sua linha de produtos. No varejo da empresa, caso queira, o turista pode adquirir os produtos degustados.




Uma das vinícolas mais procuradas e uma das maiores do vale é a Casa Valduga que, além da visita guiada, degustação e venda de seus famosos e premiados vinhos, oferece a alternativa de hospedagem em uma agradável pousada ao lado dos vinhedos, além de um restaurante de boa qualidade. A Valduga produz vinhos, espumantes e grapa. É também proprietária da Casa da Madeira que produz sucos de uva, geléias e vinagre tipo balsâmico. A Osteria subterrânea abre para o almoço de segunda à sexta.


Vinícola Miolo


Vinícola Miolo


Vinícola Don Laurindo

A Miolo é uma das maiores e principais vinícolas do Brasil, produzindo vinhos e espumantes. É onde também existe uma
Escola do vinho para quem quiser aprender os princípios da degustação de vinhos nos cursos de 1 ou 2 dias que se realizam em maio e em novembro, além do almoço imperdível na Osteria Mamma Miolo.

Em outras pequenas vinícolas,
como a Dal Pizzol e a Don Laurindo, a produção é pequena e por isso são vinhos normalmente encontrados só no Rio Grande do Sul. A Don Laurindo produz vinhos e espumantes, além dos vinagres de vinho tinto e do tipo balsâmico.



A Enoteca dos vinhos Dal Pizzol tem uma coleção de garrafas de safras antigas desde a sua fundação, hoje consideradas
peças de museu. Contém ainda uma réplica do primeiro vinhedo construído pelos imigrantes, todo de madeira e sem fios de arame. Ao lado existe um vinhedo didático, moderno e voltado para o futuro, que está sendo composto por uma grande coleção de variedades de videiras das mais diferentes regiões produtoras do mundo.







Um bom vinho sempre pede um bom queijo, um salame e outras coisas desse tipo. Um dos lugares bem conhecidos é a
Queijaria Valbrenta, com produção própria de queijos. Além da agradável recepção, durante a degustação pode-se ter as explicações sobre cada tipo de queijo que pode ser acompanhada por uma janela de vidro que deixa à mostra a pequena fábrica. A loja da queijaria vende queijos de outras procedências e também embutidos e os salames fabricados na região.

Os bons restaurantes é um convite para uma bela refeição com os vinhos da região. Além dos restaurantes da Miolo e da
Casa Valduga, o Don Ziero que fica na Vinícola Cordelier, bem na entrada do Vale, serve uma especialidade de cordeiro acompanhado do bom vinho da casa. Além disso, há uma coleção dos melhores azeites do mundo provenientes da Itália, Espanha, Líbano, Grécia e Portugal para temperar saladas. O restaurante Sbornea’s oferece uma variedade de pratos da culinária colonial italiana.







Garibaldi guarda na arquitetura antiga pedaços de história de sua origem e seu povoamento. O passeio em Garibaldi, feito com acompanhamento de um guia turístico, pode ser feito a pé ou no "Tim-tim", um caminhão de guerra de 1944 adaptado para o transporte de turistas com capacidade de 50 lugares.

O Ski Park é uma
atração da cidade, um parque com pista de esqui para iniciantes, teleférico, tobogã de 300m, restaurante panorâmico e chalés de montanha. Em julho, anualmente acontece o Campeonato Brasileiro de Esqui. Outra atração é a Piccola Garibaldi, uma réplica em maquete do que foi a cidade no inicio do século.



As visitas guiadas à Chandon fazem parte da Rota dos Espumantes, que reúne seis vinícolas de Garibaldi: Peterlongo, Garibaldi, Georges Aubert, Courmayeur, De Lantier e Rossoni. A maior delas é a Chandon, que recebe os turistas em um moderno centro de visitas em que se pode fazer um rápido curso sobre espumantes, além da degustação dos produtos da casa.



Atualmente, o Brasil é um dos principais produtores de espumantes do mundo, em termos de qualidade. Nos
últimos quatro anos, os principais concursos internacionais que avaliam a qualidade dos espumantes garantiram aos espumantes brasileiros o 2º lugar mundial, perdendo apenas para os champanhes franceses.



Vinícola Cave de Pedra








Vinícola Santon


Hotel Villa Europa

2 comentários:

Rosana disse...

conheço o local. é muito bonito mesmo. e tem se "mostrado" mais aos turistas, oferecendo atividades. muito bom!

Lucia de Belo Horizonte / MG disse...

Olá Rosana, é tão lindo que dá vontade de passear por lá todos os dias... Obrigado por seu comentário, volte sempre. Abraço Lucia

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores